Veículo elétrico: vantagens e desvantagens

Segundo um estudo da Federação Europeia de Transporte e Ambiente, divulgado no final de 2020, Portugal está entre os cinco países da Europa onde mais se comercializam veículos elétricos, proporcionalmente ao total de carros vendidos. Nessa comparação, o país regista uma percentagem de venda de 11% de automóveis híbridos e elétricos (quase 6% cada) e fica atrás apenas dos Países Baixos (13%), da Finlândia (15%), da Suécia (26%) e da Noruega (68%). O quinto lugar coloca Portugal como um forte aliado na conquista, pela Europa, da neutralidade em carbono em 2050.

Ao contrário dos automóveis movidos a gasóleo ou gasolina, o veículo 100% elétrico utiliza um sistema de propulsão em que o motor usa a energia armazenada em baterias recarregáveis. Como qualquer automóvel, também o veículo elétrico apresenta benefícios e algumas dificuldades.

Conheça as vantagens e desvantagens desta nova geração de carros e oriente a sua próxima escolha.
 

Vantagens

 . Ambiental – Um dos principais diferenciadores positivos da mobilidade elétrica está na questão ambiental. Com os carros 100% elétricos, não há emissão direta de gases poluentes para a atmosfera.

De acordo com o relatório do International Council on Clean Transportation, ao longo de todo o seu ciclo de vida um carro movido a eletricidade revela-se cerca de 30% mais limpo do que um veículo equipado com o mais eficiente motor de combustão interna disponível no mercado europeu.

Ainda sobre a questão ambiental, os veículos elétricos também contribuem para diminuir a poluição sonora, uma vez que são bem mais silenciosos do que os modelos tradicionais.

. Manutenção – Os custos com a manutenção tendem a ser menores nos carros elétricos em relação aos tradicionais, devido ao menor número de componentes e de peças móveis do motor. Clique aqui

. Condução – É mais confortável, suave e fácil, graças ao facto de a caixa de velocidades ser, por norma, automática.

 . Economia ao estacionar – Na capital portuguesa, carros 100% elétricos podem estacionar gratuitamente nos locais regulados pela Empresa Municipal de Estacionamento de Lisboa (EMEL), desde que possuam o Dístico Verde (que custa 12 euros anuais). Outras cidades, como Beja, Funchal, Loures, Guimarães, Oeiras e Oliveira de Azeméis também oferecem estacionamento gratuito para este tipo de veículo, e outras, como o Porto, oferecem um desconto. 

. Incentivos fiscais – Os veículos 100% elétricos estão isentos do Imposto Sobre Veículos (ISV) e do Imposto Único de Circulação (IUC).
 

Desvantagens

 . Preço – Os veículos elétricos ainda são mais caros do que os movidos a combustível, mas a poupança conseguida com a manutenção e no abastecimento pode compensar em alguns casos, a longo prazo. 

. Autonomia – Alguns condutores ficam inseguros com o número reduzido de pontos de carregamento (quando comparados às áreas de abastecimento de gasóleo e gasolina) durante viagens de longa distância ou se vivem no interior do país. A tendência, porém, é de aumento da oferta. 

. Carregamento de baterias – Para aumentar a vida útil da bateria dos veículos elétricos, os fabricantes recomendam não deixar que descarregue completamente (não deve chegar a menos de 20%), nem que carregue acima dos 80%. Apesar de reduzir a autonomia do carro, a longo prazo esse procedimento aumenta a duração da bateria.

Como se vê, as vantagens do veículo elétrico superam as desvantagens. E uma grande parcela de portugueses já percebeu isso. Uma sondagem feita pela Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos (UVE) constatou um aumento de cerca de 80% na venda de veículos elétricos em novembro de 2020, face a novembro de 2019. Já a venda de veículos com motor a combustão interna registou uma quebra de 41,2% no total do ano passado.

A RNA valoriza e incentiva o uso de modelos elétricos, menos poluentes e mais confortáveis na hora de conduzir. Na rede de rent-a-car da RNA Assistência há diversas opções de veículos de substituição, incluindo híbridos e 100% elétricos.

 

RElated Posts
IAG Academy - RNA marcou presença!
09 Out, 2014
Saúde à distância: uma tendência que veio para ficar
14 Out, 2020